Conto da vida de João

João era um homem bom – ao menos se achava um. Frequentava a igreja, ouvia e obedecia às palavras de seu orientador espiritual. Engajou-se (nas redes sociais) em várias campanhas em favor da família tradicional, dos valores morais, contra a imoralidade. Certa vez, chegou a ir a um protesto na porta de um museu que estava expondo obras que ofendiam Nosso Senhor Jesus Cristo. Morava no Centro da cidade, bem

Contexto

Evito, tanto quanto consigo, ver filmes e fotos de coisas ruins na internet. Entretanto, dia desses, caiu sob meu olhar a figura de um homem que parecia ter sido linchado. Corpo quase totalmente nu, coberto de sangue, com incontáveis ferimentos espalhados por todo o corpo, inclusive na cabeça. Fiquei horrorizado, perguntando-me o que seria aquilo, quem divulgaria tal foto. Seria uma incitação à violência, alguém comemorando que “bandido bom é

Desapresentação

Não posso apresentar-me adequadamente, porque ainda não sei quem sou. Então, desapresento-me. Biologicamente, um ser humano adulto macho cisgênero branco com 1,86 m de altura, massa aproximada de 90 Kg, tez morena, olhos verdes, raros cabelos grisalhos e marcas de histórias no corpo, como, por exemplo, uma cicatriz na coxa direita em forma de amêndoa, de uma polegada de largura, derivada de corte provocado por uma folha de capim-gordura durante

“Éramos seis...”

Cemitério da Consolação, São Paulo. Uma tarde ensolarada em meados de maio de 1984. Minha alma, então no frescor da fé, vaga entre as tumbas, envolta na oração e na contemplação da arquitetura mortuária, por vezes tão complexa quanto o mistério que representam seus monumentos: beleza, horror, leveza, tormento, despojamento, luxo… díspares ideias concretizadas no tijolo e na pedra. Próximo ao corredor dos fundos, sombreado por comprida fileira de árvores,

Isso de ser pai...

Hoje, completei meu 19º ano de pai. Ou 20º, se se puder considerar o filho ainda no ventre, a promessa depois cumprida. E, entretanto, não houve ainda acúmulo de decênios que me trouxesse explicação para isso de ser pai. Essa improvável expansão de si mesmo a partir do outro, esse estender-se para fora de si, esse abrir-se em céus e abismos, glórias e tormentas antes sequer imagináveis. Que encanto é

Gênero biológico, identidade e sexualidade

É fato que, quando um ser humano nasce, porta um gênero biológico, definido primariamente como masculino ou feminino de acordo com a aparência de seus órgãos genitais. É certo, também, que seres humanos carregam diferentes cromossomos, e que, na genética humana, foram identificados os cromossomos sexuais, classificados como XX para os indivíduos do sexo feminino e XY para os do sexo masculino. Ou seja, há uma diferença biológica que determina

Língua Portuguesa e seu uso: quem define o que é “correto”?

O objetivo do uso da língua O objetivo da língua é a comunicação. Aprendemos desde cedo a nos comunicarmos utilizando determinada língua, que é também fundamental para a estruturação de nosso pensamento e a formação da nossa visão de mundo. A língua utilizada para comunicação entre os brasileiros é a Portuguesa, que se tornou língua oficial da colônia por ordem do Marquês de Pombal, então primeiro ministro de Portugal, em

Estarei no estádio no próximo jogo

Quando o homem de preto assoprar a latinha para o início da peleja, eu estarei lá. Estarei no meio da torcida, vibrando, gritando, aplaudindo, incentivando o meu time. Não importa qual será o jogo, que time estará do outro lado, qual o campeonato. Pode ser um time “sem série” na Copa Sul-Americana, na Copa do Brasil, na Sul-Minas ou Sul-Minas-Rio. Pode ser um Torneio da Morte ou um “ruralzão”. Não

"Afazeres"

Dia de folga durante a semana. Dou uma olhada na lista de afazeres. Fazer essas listas é hábito herdado de meu pai, que andava com cartões no bolso onde anotava tudo que precisava fazer, riscando as tarefas cumpridas. Diariamente, renovava a relação, incluindo coisas da véspera que não tinha conseguido deslindar. Minha lista para o dia de folga tem várias coisas que não consigo fazer nos “dias úteis” porque trabalho

Direita e esquerda – O que é isso?

Você é de direita ou de esquerda? Por quê? Tenho lido e ouvida tantas ideias confusas a respeito desses conceitos que me arrisco a escrever aqui sobre eles, esperando ser de alguma forma útil… O texto abaixo é aberto a contribuições – espero correções e observações pertinentes. 1) Esquerda e direita são sempre conceitos relativos, nunca absolutos. Evoluem e variam conforme o tempo e o espaço. Não são preto e