Blog

Desapresentação

Não posso apresentar-me adequadamente, porque ainda não sei quem sou. Então, desapresento-me. Biologicamente, um ser humano adulto macho cisgênero branco com 1,86 m de altura, massa aproximada de 90 Kg, tez morena, olhos verdes, raros cabelos grisalhos e marcas de histórias no corpo, como, por exemplo, uma cicatriz na coxa direita em forma de amêndoa, de uma polegada de largura, derivada de corte provocado por uma folha de capim-gordura durante

“Éramos seis...”

Cemitério da Consolação, São Paulo. Uma tarde ensolarada em meados de maio de 1984. Minha alma, então no frescor da fé, vaga entre as tumbas, envolta na oração e na contemplação da arquitetura mortuária, por vezes tão complexa quanto o mistério que representam seus monumentos: beleza, horror, leveza, tormento, despojamento, luxo… díspares ideias concretizadas no tijolo e na pedra. Próximo ao corredor dos fundos, sombreado por comprida fileira de árvores,

Isso de ser pai...

Hoje, completei meu 19º ano de pai. Ou 20º, se se puder considerar o filho ainda no ventre, a promessa depois cumprida. E, entretanto, não houve ainda acúmulo de decênios que me trouxesse explicação para isso de ser pai. Essa improvável expansão de si mesmo a partir do outro, esse estender-se para fora de si, esse abrir-se em céus e abismos, glórias e tormentas antes sequer imagináveis. Que encanto é

Gênero biológico, identidade e sexualidade

É fato que, quando um ser humano nasce, porta um gênero biológico, definido primariamente como masculino ou feminino de acordo com a aparência de seus órgãos genitais. É certo, também, que seres humanos carregam diferentes cromossomos, e que, na genética humana, foram identificados os cromossomos sexuais, classificados como XX para os indivíduos do sexo feminino e XY para os do sexo masculino. Ou seja, há uma diferença biológica que determina

Media Events and Reality Construction

Tomás Eon Barreiros (Centro Universitario Positivo Curitiba, Brazil) Media Events and Reality Construction 7th July 2007, 15:30, “Kleiner Saal” Media events have been one of the most important tools that builds the reality, according to what Elihu Katz and Daniel Dayan said about it (“In a further step, they enter the collective memory”). Through the news, selecting the supposedly most important facts, media creates a partial view of the world.

Língua Portuguesa e seu uso: quem define o que é “correto”?

O objetivo do uso da língua O objetivo da língua é a comunicação. Aprendemos desde cedo a nos comunicarmos utilizando determinada língua, que é também fundamental para a estruturação de nosso pensamento e a formação da nossa visão de mundo. A língua utilizada para comunicação entre os brasileiros é a Portuguesa, que se tornou língua oficial da colônia por ordem do Marquês de Pombal, então primeiro ministro de Portugal, em

Estarei no estádio no próximo jogo

Quando o homem de preto assoprar a latinha para o início da peleja, eu estarei lá. Estarei no meio da torcida, vibrando, gritando, aplaudindo, incentivando o meu time. Não importa qual será o jogo, que time estará do outro lado, qual o campeonato. Pode ser um time “sem série” na Copa Sul-Americana, na Copa do Brasil, na Sul-Minas ou Sul-Minas-Rio. Pode ser um Torneio da Morte ou um “ruralzão”. Não

Tomás fotógrafo

Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, 2016 Fazenda Lagoa, Cambará-PR Bosque do Papa, Curitiba, 2016 Bosque do Papa, Curitiba, 2016 Lausanne, Cais de Ouchy, mar. 2016 Roma, 05 mar. 2016 Roma, 05 mar. 2016 Genebra, 04 mar. 2016 (Vitrine de loja de chá) Lausanne, mar. 2016 (Cais de Ouchy) Lausanne, mar. 2016 (Cais de Ouchy) Lausanne, mar. 2016 (Cais de Ouchy) Lausanne, mar. 2016 Lausanne, mar. 2016 Lausanne, mar. 2016

A gripe que o jornal “não viu”

BARREIROS, Tomás Eon, graduado em Jornalismo (PUCPR), especialista em Língua Portuguesa (PUCPR) e mestre em Comunicação em Linguagens (UTP). Professor do curso de Jornalismo do Centro Universitário Positivo – UnicenP (Curitiba – Paraná). Palavras-chaves: jornal – história – censura Resumo Na obra “O mez da grippe”, o escritor e jornalista Valêncio Xavier cria uma história unindo diversos elementos montados como colagem. A narrativa da obra é constituída a partir de